terça-feira, 19 de abril de 2011

CAUSOS POPULARES

Causos são narrativas populares em que une os costumes do povo e o prazer de contar história. Possui um aspecto irônico e ambíguo, o que resulta no humor do texto. Abaixo acompanharemos alguns "causos" produzidos pela aluna do 1º ano - Ensino de Jovens e Adultos - Turma B - Maria Helena da Silva Carmo

CAUSO 1 - A história de um matuto

Agora vou lhe contar, como tudo aconteceu, a história de um matuto que no engenho nasceu, leigo, mal sabia o nome assinar, mas tinha algo com ele que ninguém sabia explicar. Era um caçador destemido que na mata gostava de estar, caçando os bichos mais bravos que ninguém ouvia falar, pegava até de unha, que a poeira voava no ar.
Na cidade, outra coisa não se ouvia falar, do matuto Zeca Brav o que vivia das bandas de lá, montando no seu cavalo, por nome de alazão, bonito como quê, valente como leão, quando passava a espora, o risco ficava no chão.
Se embrenhava de mata adentro, com a espingarda nas mãos, pegando bicho no laço, eta Zeca valentão. Hoje não se vê falar no matuto Zeca Bravo, porém de cabo a rabo, o seu nome faz juz, e pra sempre será lembrado. Nunca mais ouvimos falar desse matuto arretado.




CAUSO 2 - O pescador mentiroso

Um certo dia, Totó foi pescar no rio, numa canoa furada, nem sequer notou nada, que naquela canoa, o povo falava que era assombrada.
A canoa seguiu rumo abaixo sem Totó perceber que no rio tinha piranha que podia lhe morder. começou logo a beber e cantar sem precisão, espantando aquqeles peixes para sua refeição.
De repente, uma voz da canoa que soava dizendo "quero você", e assim continuava.
O totó se apavorou, da canoa quis descer, mas no rio tinha piranhas, que devo eu fazer? Valei-me nosso senhor que agora estai me vendo dentro desta canoa, neste rio e sem remo.
Nunca mais eu vou mentir, aquilo que prometi. Eu juro por pai e mãe, que agora vou cumprir, o peixe que eu peguei, que falei tinha cem quilos, peço desculpas agora, cem quilo só no nome, volto pra casa agora, e a assombração do meu lado, as piranhas me acompanham, e assim sigo calado. Nunca mais eu vou pescar, naquele rio mal assombrado.






CAUSO 3 - O homem que se dizia valente





Eu vou contar pra vocês como tudo aconteceu, o Miguel que era valente, de branco so tinha os dentes, criava cavalo e gado, e também inteligente.
Um dia Miguel bebeu e pra casa não voltou, sua mãe e o seu pai, com ele se preocupou - "aonde tá migué, valei-me nosso senhor".
O cercado era grande, com os olhos não se via, a imensidãl de terras que por ali acudia, Miguel foi bulir com o touro, pensando ser seu cavalo, o touro, enfurecido, babava, arrastava a pata no chão, e espumava como sabão, correu atras de Miguel, que gritava assim: "Socorro mãe, socorro pai. Tenha pena de mim, o touro as caças rasgou, os documentos também".
A cara ficou no chão, coitado do valentão, na cidade onde passava outro assunto não se ouvia, do touro que rasgou as calças do homem, credo em cruz, ave Maria.

3 comentários:

Unknown disse...

Uma porcaria tudo isso

Nanda disse...

Não sabem colocar Causo legal então nem coloquem.
Ler isso é uma perca de tempo

Blotuegan_Gamer disse...

Lixo